Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

E se?

E se as mentiras forem verdade
E as verdades forem meras formalidades
E as formalidades forem necessárias
E as necessidades forem supérfluas
E as superfluidades forem luxo
E se o luxo for fútil
E a futilidade for precificada
E a precificação for filosófica
E a filosofia perder a capacidade de perguntas
E se as perguntas não puderem ser feitas aos políticos
E os políticos pertencerem todos ao mesmo partido
E se os partidos fossem apenas filhos do mesmo pai
E esse pai for o sistema político
E se esse sistema for corrupto
E a corrupção for generalizada
E se ela for invenção da justiça
E a justiça não existir
E a existência for uma mentira
E a mentira for verdade
Ou as verdades forem de mentira
O que você faria?
– Gerson Christianini

 

Se

 

Se és capaz de manter a tua calma quando

Todo o mundo ao teu redor já a perdeu e te culpa;

De crer em ti quando estão todos duvidando,

E para esses no entanto achar uma desculpa;

 

Se és capaz de esperar sem te desesperares,

Ou, enganado, não mentir ao mentiroso,

Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,

E não parecer bom demais, nem pretensioso;

 

Se és capaz de pensar — sem que a isso só te atires,

De sonhar — sem fazer dos sonhos teus senhores.

Se encontrando a desgraça e o triunfo conseguires

Tratar da mesma forma a esses dois impostores;

 

Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas

Em armadilhas as verdades que disseste,

E as coisas, por que deste a vida, estraçalhadas,

E refazê-las com o bem pouco que te reste;

 

Se és capaz de arriscar numa única parada

Tudo quanto ganhaste em toda a tua vida,

Eperder e, ao perder, sem nunca dizer nada,

Resignado, tornar ao ponto de partida;

 

De forçar coração, nervos, músculos, tudo

A dar seja o que for que neles ainda existe,

E a persistir assim quando, exaustos, contudo,

Resta a vontade em ti que ainda ordena: “Persiste!”;

 

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes

E, entre reis, não perder a naturalidade,

E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,

Se a todos podes ser de alguma utilidade,

 

E se és capaz de dar, segundo por segundo,

Ao minuto fatal todo o valor e brilho,

Tua é a terra com tudo o que existe no mundo

Eo que mais — tu serás um homem, ó meu filho!
– Rudyard Kipling

Quem reclama muito
Muito reclama da vida
Vida se esvai sem saída
Saída não há, pois escrita

 

Escrita se faz no labor
Labor com lágrimas e com dor
Dor de quem sabe reconhecer
Reconhecer que pra quem luta
Há valor
– Gerson Christianini

Anos de saudades

 

Saudades, lá fora, que ardem, que vivem
Presente efervescente na memória
Que julga ser lugar onde mora
Quem dera se fosse faísca, folha e história

 

Escuros; castanhos escuros são seus olhos
Que escureciam as tristezas
E cujo sorriso curava o tempo
Cuja alegria intimidava o silêncio

 

Sim, o silêncio, tão desejado pelos sábios,
Tão demasiadamente pregado pelos eruditos
Esperava você falar, e, clamava em ser seu amigo
Porque, linda, pra você, é adjetivo limitado, antigo

 

Ah, quem diz que felicidade é estado de espírito
Que apenas brota no profundo, no interior
Não te conheceu, para saber, e aprender
Que sua beleza é remédio indolor

 

Passaram-se meses e alguns anos
Sim, vários anos, que se foram, que não voltam
Mas ainda sinto o seu perfume passando perto
Sua voz, seu tom de voz, escuto por certo

 

Mesmo longe, saudades, está passando
Não lhe esqueci, com seu coração sem maldades
Linda e meiga cantarolando, com poemas nos lábios
Dizendo: prazer, eu vim lhe dizer, que também tenho saudades

 

Deixa eu lhe pedir, vento, que me trouxe saudades
Traga-me tudo, menos vaidades,
Para respirar a vida, sem truques
Sem temor e irresponsabilidades

 

Só que, ventos, passem lá também
E a mesma alegria que deixou aqui, deixe lá, com ela, porém
Um pedido, de alma, ó ventos amigos e auspiciosos
Não deixe nós se encontrarmos de novo, amém

– Gerson Christianini

Quem sabe

 

Quem sabe, soube aprender
Quem soube, pensou em saber
Quem não sabe senta e aprende
Porque na vida quem sabe não depende
Quem não sabe se arrepende
Quem sabe vira gente
– Gerson Christianini

Sabe o sucesso?

 

Ele existe, ele tem endereço
Ele é de carne e osso
Não é um adereço
Ele não é um bicho-papão
E sempre aparece pro homem
Que trabalha feito leão
Só que muito cuidado
Ele não é de brincadeira não
Ele prega peças
E escorrega feito sabão
– Gerson Christianini


Warning: Unknown: open(/home/content/p3pnexwpnas02_data01/62/2855762/tmp/sess_37cquqajop98ekmu58qke2au74, O_RDWR) failed: No such file or directory (2) in Unknown on line 0

Warning: Unknown: Failed to write session data (files). Please verify that the current setting of session.save_path is correct () in Unknown on line 0